publicado por adm | Quarta-feira, 29 Agosto , 2012, 00:05

A Lexmark anunciou nesta terça-feira que vai parar de produzir impressoras jato de tinta, cortando com isso 1.700 empregos, para se concentrar em segmentos de imagem e software, mais rentáveis.

A companhia está se focando em impressoras laser mais sofisticadas em detrimento dos equipamentos de uso doméstico de jato de tinta e também está investindo em seus serviços de impressão por meio várias aquisições nos últimos dois anos.

A receita do segmento de jato de tinta despencou 66 por cento no primeiro semestre de 2012, o que forçou a companhia a cortar sua previsão de desempenho para o fechado do ano.

A maioria das fabricantes de impressoras está sofrendo com as vendas em queda, já que impressão é sempre o primeiro alvo dos cortes de custos, porque as companhias a consideram um dos gastos mais dispensáveis.

A Xerox cortou em julho a previsão de lucro para o ano e a Canon fez o mesmo com o lucro operacional, em meio às duras condições de negócios na Europa.

A Lexmark, que tinha demitido em janeiro 625 pessoas ligadas à produção de suprimentos para equipamentos voltados a consumidores, terá um encargo antes de impostos de 160 milhões de dólares por conta da reestruturação. Desse total, 110 milhões impactarão sobre 2012, e o restante nos próximos três anos.

A companhia, que prevê uma economia anual de 95 milhões de dólares quando concluir a reestruturação, gastará 100 milhões de dólares com recompra de ações no segundo semestre.

A fabricante, que tinha 13,3 mil empregados até o fim de 2011, garantiu que continuará a prestar assistência e vender suprimentos para as impressoras jato de tinta já vendidas.

A Perceptive Software, que a Lexmark comprou em 2010, fornece programas e serviços para a gestão de documentos, imagens e outros documentos.

Neste ano, a Lexmark também comprou a Brainware, ISYS Search Software e Nolij e as incorporou à Perceptive Software. A divisão representou quase 5 por cento da receita do segundo trimestre, alta em relação aos cerca de 2 por cento sobre o mesmo período do ano passado.

fonte:http://tecnologia.terra.com.br/n

tags:

publicado por adm | Terça-feira, 14 Agosto , 2012, 23:11

Pesquisadores da Agency for Science, Technology and Research (A*STAR), de Cingapura, testam o que eles dizem ser a impressora laser com "a maior resolução possível" até então. De acordo com o site The Verge, um teste mostrou que a impressão com o equipamento atinge os 100 mil dpi (pixels por polegada) - o que representa 80 vezes mais resolução do que as impressoras comuns atualmente disponíveis no mercado.

O nova impressora também é capaz de gravar sobre superfícies muito pequenas, como fios de cabelo, fazendo até impressões invisíveis a olho nu. Tal recurso poderia ser aplicado, por exemplo, para armazenamento de dados ópticos e outros padrões de segurança.

Segundo os cientistas, uma impressão com mais de 100 mil dpi resultaria em uma imagem borrada, por isso dizem que esta é a maior resolução que se pode obter. No equipamento, cada pixel é construído a partir de minúsculos pilares cobertos com nanodiscos de ouro e prata, e através de uma técnica chamada "ressonância de plasma" é possível definir a cor da luz refeletida por diferentes diâmetros estruturais.

fonte:http://tecnologia.terra.com.br/n


publicado por adm | Terça-feira, 14 Agosto , 2012, 23:08

Uma linha de cartuchos que possibilita boa qualidade de impressão com custo reduzido foi lançada pela HP nesta quinta-feira em São Paulo. Denominado Ink Advantage, o sistema foi desenvolvido após dois anos de pesquisa com foco nas especificidades do consumidor brasileiro - que leva a relação entre preço e qualidade em conta como poucos outros países no mundo na hora de imprimir, segunda a empresa - e está à venda a partir de R$ 19,90.

O produto é voltado principalmente para o usuário doméstico e as pequenas empresas que utilizam pouco suas impressoras jato de tinta, porém se importam com os resultados da impressão e o valor que têm de pagar pelos cartuchos. Apesar de a tecnologia não ser nova, a HP somente conseguiu se focar no seu desenvolvimento depois de estudar o comportamento dos clientes no Brasil e concluir que havia necessidade de atender à demanda por qualidade e preço acessível.

"Convencemos a matriz de que era preciso investir nessa tecnologia, levando em consideração o nível de exigência e perspectiva de crescimento do mercado de impressão no Brasil", disse Alfredo Cors, diretor do Grupo de Impressão da HP na América Latina.

A empresa ouviu cerca de 10 mil brasileiros ao longo de um ano para entender o que os clientes mais valorizam nas impressoras que possuem - ou pretendem comprar. Os resultados indicam que qualidade, preço e frequência de troca de cartuchos estão entre as principais preocupações do consumidor. A pesquisa revelou também que muitos recorrem à recarga de tinta, deixando de lado o rendimento em função do baixo custo.

"Respeitamos a decisão de quem escolhe a recarga, mas perguntamos: vale a pena comprar refil? Acreditamos que não", afirmou Claudio Raupp, vice-presidente do Grupo de Impressão da HP no país. Um estudo encomendado pela companhia mostrou que aproximadamente 1 em cada 3 cartuchos recarregados falham - o que não ocorre com costuma ocorrer com produtos originais.

A Ink Advantage deve ser agora ampliada para atender ao público de outros países com padrão de uso semelhante ao brasileiro, que em geral não imprime grande quantidade de páginas, porém exige bons resultados de impressão - compatíveis com seu status de segundo maior mercado do mundo em número de impressoras jatos de tinta.

fonte:http://tecnologia.terra.com.br/

tags:

pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds