publicado por adm | Sábado, 31 Agosto , 2013, 12:47

A MakerBot, startup que tem ajudado a popularizar a impressão 3D, anunciou um produto que faz o caminho inverso dessa tecnologia.

O Digitizer "escaneia" um objeto real por inteiro, transformando-o em um arquivo digital para impressão 3D.

A partir deste arquivo, o objeto pode ser impresso quantas vezes o usuário quiser. Além disso, pode ser compartilhado para que outros usuários com uma impressora 3D o reproduzam onde estiverem.

Segundo a empresa, leva cerca de doze minutos para que os lasers do aparelho "leiam" a forma completa de um objeto.

A peça a ser digitalizada não pode pesar mais que três quilos nem ter a superfície muito brilhante.

O aparelho está à venda por US$ 1.400 no site da empresa.

fonte:http://br.noticias.yahoo.com/f


publicado por adm | Sexta-feira, 02 Agosto , 2013, 23:29

Réplica de um Aston Martin é produzida com impressora 3D

 

A revolução das impressoras 3D já está em pleno vapor, e pouco a pouco vai demonstrando cada vez mais aplicações recreativas. Mas uma dessas capacidades que mais chama a atenção é a montagem de uma réplica de um Aston Martin DB4, com ajuda de uma pequena impressora tridimensional de 500 dólares.

Ao contrário do que imaginam os leigos, o carro, ou qualquer outro objecto, não é «impresso» de uma só vez. Ivan Sentch, o «construtor», segue o mesmo processo utilizado anteriormente pelos projectistas da Superleggera para produzir a carroceria de alumínio do DB4, com a ajuda de um molde de secções transversais e longitudinais, que definiam as formas gerais do carro.

Mas, ao contrário do que ocorre normalmente, as lacunas entre as secções deste esqueleto são preenchidas com espuma de plástico, e em seguida são lixadas até se tornar um corpo sólido através da aplicação de painéis de fibra de vidro. Sentch usa a sua impressora 3D para criar pequenos cubos dimensionais com superfície adequada para cada secção.

As vantagens deste processo é que as formas mais precisas podem ser obtidas através de um modelo de computador, ao mesmo tempo que poupa um bom trabalho de polimento. O processo ainda não é absolutamente perfeito e nem viável para produtos funcionais do porte de um carro, mas o resultado em si é espectacular e faz prever o que será possível «fabricar» em casa através de impressoras 3D brevemente.

 

fonte:http://diariodigital.sapo.pt/


pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds